7/10/2007

 

SERENATA


Desde a nossa ultima troca de e-mails, eu tenho pensado, muito, em tudo o que você me disse, comparando com aquilo que é minha vida, com aquilo que acredito e com aquilo que, ainda, não acredito.
Conclui que eu não posso ter, no coração, a crença, daquilo que eu gostaria de ter,  Tenho, apenas, aquilo que eu tenho.  Gostaria de ter mais fé, acreditar em coisas além dessa nossa vida.  Infelizmente, eu, ainda, não cheguei a esse ponto.   Talvez, com o tempo, até possa chegar, mas não agora.  A gente tem que viver com nossa limitações e nossas virtudes.  Eu tenho a limitação da fé, mas, com certeza, tenho a virtude (espero), da sinceridade de propósitos.  Acho que, se eu continuar sincero, viver com o meu coração, eu já  serei um pouco melhor.   Ser sincero, significa viver, com toda a intensidade, aquilo que, de bom, se passa em nossa alma.  E, na minha alma passa um agradecimento,  imenso, pela atenção que você me dá, pelas coisas que você me diz, pelas coisas que eu sinto por você.
Na verdade, sabe, me parece que você aí, tão longe,  está mais próxima do que se estivesse aqui.   E, como conseqüência, meu bem querer aumenta , mas eu não sei como lhe dizer.   Talvez eu pudesse tentar escrever uma poesia, que eu não sei, ainda, como fazer.     Mas existe uma música, que eu acho a mais bonita que já se fez, que fala da amizade, que fala do amor, na forma mais pura e mais intensa.  Acho que essa música seria perfeita, se tivéssemos uns vinte anos menos do que temos hoje.  Mesmo um pouco datada, ela canta a amizade, que se faz do amor, o amor que nasce da amizade; o amor e a amizade, mãos dadas, caminhando juntos.   E não me interprete mal.  Eu lhe quero muito.  Como pessoa. Como amiga.  Que vale a pena.  E, ainda por cima, enfeitada pelas formas e traços de uma mulher muito bonita.
Por isso,  vá ao endereço  "https://www.youtube.com/watch?v=OlcQE4NeXow "  e ouça, música e letra,  como uma serenata, a você.



Wilson