AQUELA

 

Pela inquietude que minha alma habita,

Nesses beijos, risos, amargos prantos,

Ao correr, de viagem tão bendita,

Confesso, pedi a todos os santos:

Deixem-me achar uma só, só aquela,

Que traga, nos braços, todos abraços,

Que de toda emoção, faça singela,

A lida imensa de guiar-me os passos.

 

Que traga, com ela, sonhos no olhar,

E no amplo sorriso, de brancos dentes,

O infindo dom de saber-me calar.

 

Findou-me o tempo de andar pelo mundo,

Fechou-se a conta dos casos pendentes

Que tê-la, em mim, é meu sonho mais fundo.





Wilson Melo da Silva Filho