PABLO NERUDA



 

 

"Puedo escribir los versos más tristes esta noche.

Escribir, por ejemplo: " La noche está estrellada,
y tiritan, azules, los astros, a lo lejos".
El viento de la noche gira en el cielo y canta.
Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Yo la quise, y a veces ella también me quiso.
En las noches como ésta la tuve entre mis brazos.
La besé tantas veces bajo el cielo infinito.
Ella me quiso, a veces yo también la quería.
Cómo no haber amado sus grandes ojos fijos.
Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Pensar que no la tengo. Sentir que la he perdido.
Oír la noche inmensa, más inmensa sin ella.
Y el verso cae al alma como pasto el rocío.
Qué importa que mi amor no pudiera guardarla.
La noche está estrellada y ella no está conmigo.
Eso es todo. A lo lejos alguien canta. A lo lejos.
Mi alma no se contenta con haberla perdido.
Como para acercarla mi mirada la busca.
Mi corazón la busca, y ella no está conmigo.
La misma noche que hace blanquear los mismos árboles.
Nosotros, los de entonces, ya no somos los mismos.
Ya no la quiero, es cierto, pero cuánto la quise.
Mi voz buscaba el viento para tocar su oído.
De otro. Será de otro. Como antes de mis besos.
Su voz, su cuerpo claro. Sus ojos infinitos.
Ya no la quiero, es cierto, pero tal vez la quiero.
Es tan corto el amor, y es tan largo el olvido.
Porque en noches como ésta la tuve entre mis brazos,
mi alma no se contenta con haberla perdido.

Aunque éste sea el último dolor que ella me causa"

,





























 

1 - Biografia Sucinta:



Pablo Neruda - Neftalí Ricardo Reyes Basualto - nasceu em Parral, no Chile, em 12 de julho de 1904. O nome Pablo Neruda, que adotara como escritor, tornou-se seu nome oficial em 1946.

Seus primeiros trabalhos literários foram publicados na cidade de Temuco. Em 1921 foi para Santiago, continuar seus estudos como professor de francês, e ganhou o seu primeiro prêmio literário Ali publicou o seu primeiro livro, "Crepusculario", que se seguiu, em 1924, por "Veinte Poemas de Amor y una Cancion Desesperada", sua obra mais conhecida e um dos mais lindos conjuntos de poemas de amor que já se escreveu. Em 1927 foi nomeado Consul em Rangún (Birmânia), indo depois para Colombo (Ceilão) e para Batavia (Java) e, finalmente, Singapura. Depois de cinco anos, regressou ao Chile, onde escreve "Residencia en la Terra" e, em 1933 "El Hondero Entusiasta". Em 1934 tornou-se consul em Barcelona e, em 1935 foi transferido para Madrid. Com a guerra civil espanhola foi para Paris e escreve "España en el Corazón", seguida, em 1939 por "Las Furias y las Penas". Em 1940 foi nomeado consul geral no México, onde ficou até 1943. Regressando ao Chile, recebeu, em 1945, o "Premio Nacional de Literatura". Pelo fato de participar ativamente de atividades políticas e pelo fato do Partido Comunista, ao qual pertencia, ter sido declarado ilegal, teve que sair do Chile. Em 1950, no México, publicou "Canto General". Depois de passar pelo México, pela França e pela Itália, voltou ao Chile em 1952 recebendo, em 1953, o "Premio Stalin da Paz". A seguir publica "Odas Elementales" e "Las Uvas y el Viento". A partir passou a proferir diversas palestras pelo mundo, tendo publicado, em 1956 "Nuevas Odas Elementales" e "El Gran Oceano". Em 1957 "Tercer Libro de Odas", em 1958 "Navegaciones y Regreso", em 1959 "Cien Sonetos de Amor", em 1960 "Cancion de Gesta", em 1961 "Las Piedras de Chile" e "Cantos Ceremoniales", e em 1962 "Plenos Poderes". Em 1964 publica "Memorial de Isla Negra", seguida de "Arte de Pajaros", em 1966, "Las Manos del Dia" em 1968, "Fin del Mundo" e "Aun", em 1969. Em 1969 foi indicado pré-candidato à presidência do Chile, fato que não chegou a se concretizar e publicou, em 1970 "La Espada Encendida" e "Las Piedras del Cielo". Ainda em 1970, é designado embaixador na França, recebendo, em 21 de outubro de 1971, o "Prêmio Nobel de Literatura". Em 23 de setembro de 1973, sucumbe à doença e, certamente, à amargura do golpe de estado vitorioso de Pinochet contra o governo de Salvador Allende.

De uma forma geral, pode-se dizer que a poesia de Pablo Neruda tem quatro vertentes. A primeira refere-se aos seus poemas de amor, como em "Veinte Poemas de Amor y una Cancion Desesperada". A Segunda vertente é representada pela poesia voltada para a solidão e a depressão, como em "Residencia en la Tierra". A poesia épica, política, como por exemplo, em "Canto General" representa a terceira vertente e a poesia do dia a dia, como em "Odas Elementales", a Quarta.

 

2- Algumas Obras

Crepusculario

 

Veinte poema de amor y una cancion desesperada

Tentativas del hombre infinito

 

El hondero entusiasta

Residencia en la Tierra I

 

Residencia en la Tierra II

Tercera residencia

 

Espanã en el corazon

Canto general

 

La uvas y el viento

Los versos del Capitan

 

Odas elementales

Nuevas odas elementales

 

Tercer libro de odas

Estravagario

 

Cien sonetos de amor

Las piedras de Chile

 

Cantos Ceremoniales

Plenos Poderes

 

Memorial de Isla Negra

Arte de Pajaros

 

La barcarola

Las manos del dia

 

Aun

Fin del mundo

 

La espada encendida

Las piedras delo cielo

 

Geografia infructuosa

Defectos Escogidos

 

Elegia

El mar y las campanas

 

El corazon amarillo

La rosa separada

 

El libro de las preguntas

Pablo Neruda recitando o "poema veinte". Grande poeta, mas não declamava tão bem, assim!

Duvidas sobre a causa da morte de Neruda

“Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Escrever, por exemplo:  “ A noite está estrelada
E piscam, azuis, os astros, ao longe”.
O vento da noite gira no céu e canta.
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu a amei e, às vezes, ela também me amou.
Em noites como esta, a tive entre meus braços,
Beijei-a tantas vezes, sob o céu infinito.
Ela me amou, às vezes eu também a amava.
Como não haver amado seus grandes olhos fixos.
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que a tenho. Sentir que a perdi.
Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma, como o orvalho na relva.
Que importa que o meu amor não pudesse guardá-la,
A noite está estrelada e ela não está comigo.
Isso é tudo.  Ao longe alguém canta.  Ao longe.
Minha alma não se conforma por te-la perdido.
Como para aproximá-la, meu olhar a procura,
Meu coração a procura e ela não está comigo.
A mesma noite que branqueia as mesmas árvores.
Nós, os de então, já não somos os mesmos.
Eu não a amo, é certo, mas quanto a amei.
Minha voz procurava o vento para tocar seu ouvido.
De outro.  Será de outro. Como antes dos meus beijos.
Sua voz, seu corpo claro. Seus olhos infinitos.
Eu não a amo, é certo, mas talvez a ame.
É tão curto o amor e é tão longo o esquecimento.
Porque em noites como esta, a tive entre meus braços,
minha alma não se conforma por tê-la perdido.

Ainda que esta seja a última dor que ela me cause..

Poema Veinte

(de Veinte Poemas de Amor y Una Canción Desesperada)