21/11/2007

FASCINAÇÃO  -  DIÁRIO DE UMA NOITE



Mando este e-mail ou não mando?   É que eu acho - acho não - tenho a certeza - que você não lê os meus e-mails até o fim. Talvez, só os mais curtos....

Mas, afinal, para encontrar você, levei o meu carro para consertar, na oficina!

Mesmo sabendo disso, estou lhe mandando o relato (enorme, já lhe aviso), de uma noite, de pileque, em que, você, foi a personagem principal..  Não acho, lendo agora, de cara limpa, que esse relatório (na forma de um diário noturno), seja muito ruim. Até pelo contrário.    O texto  lhe engrandece e lhe enfeita. Por outro lado, me mostra um tanto ou quanto ridículo.  Não pelo sentimento.  Mas pelo equívoco do sentimento.   Mesmo assim, talvez possa valer a pena que você o leia.  Se não, hoje, um outro dia, quem sabe.  É o seu coração que manda, aqui.

E foi legal saber um pouco mais de você, da  sua sala de trabalho!

Diário de Uma Noite

 

22:30

Comecei a ouvir músicas e a beber uma dose de uísque (na verdade, "umas" doses, com certeza...) e,  pelo que percebo – e quero - acho que vou passar, a maior parte do tempo, pensando em você.   E quero registrar todas as coisas suas,  que virão à minha cabeça e ao meu coração. 

Afinal, eu fui consertar o meu carro e me encontrei com você, não foi?

E conheci a sua sala de trabalho, não é verdade?


23:00

Da última vez em que almoçamos, lembro-me bem que você me disse que não curte muito as  jóias, mas que, por outro lado, os cremes são a sua paixão.  A maioria das mulheres, que eu conheço, tem, também, um sentimento parecido com o seu, pelos cremes.   Pensando sobre o assunto cheguei a conclusão que, para você (e para a maioria das mulheres), os cremes são muito  mais importantes do que imaginamos e sabem, de vocês, muito mais coisas que nós, homens, machistas, arrogantes, jamais poderemos saber. 

Pensando nisso, vieram-me alguns  versos, um tanto ou quanto "bobo - eróticos", mas, que lhe dedico, na esperança, que, eu espero, não seja vã  (mas que, infelizmente, é sempre vã) , de lhe comover,  nesse começo de madrugada em que, por você, me faço em creme :
O Creme

Um creme,

Entre tantos,

Que são seus,

Um, apenas,

Para  o corpo,

Perfumado,

Gostoso,

Um encanto.

E eu,

De repente,

Já sou creme,

Esse creme,

Que você,

Cuidadosa,

Carinhosa,

Espalha,

Todos os dias,

Com cuidado

Com carinho,

Em cada canto,

Do corpo seu.

E eu,

Sendo creme,

Sentindo,

Sua pele,

Macia,

Gostosa,

Me derreto,

Inteiro,

De prazer.

Por lhe tornar

Perfumada,

Hidratada,

Conquistada,

Feliz.

 

00:30

Estou agora, no You Tube, ouvindo algumas músicas.  E me deparo com a Elis Regina   Eu não sei se você a curtiu.  Acho que não que, se bem me lembro, você gostava dos Titãs e a Elis  era  uma meia geração, antes de você.   De qualquer forma, a  Elis tinha algo a ver comigo:  talvez pela idade,  quase a mesma,  talvez pelo sentimento da voz, parecido com o da minha alma e  pelo fato de eu, ao vivo ter assistido a alguns shows dela..  E foi num desses shows, "Transversal do Tempo" ,que ela cantou uma música, maravilhosa, que eu cantaria, para você, cada dia e cada noite, como uma serenata eterna, "Fascinação", que, fascinação, é o que eu sinto por você.
Quem sabe, você, no You Tube, queira procurar , por "Elis Regina, fascinação" , um clipe de 1978, em preto e branco, com uma interpretação que beira ao divino, na voz e no sentimento (
http://www.youtube.com/watch?v=cjNFHV2mxAg ):



" Os sonhos mais lindos sonhei
De quimeras mil um castelo ergui
E no teu olhar,
Tonto de emoção
Com sofreguidão
Mil venturas previ.
O teu corpo é luz, sedução
Poema divino,  cheio de esplendor
Teu sorriso quente, inebria, entontece
És fascinação, amor."



E é tão estranho saber que alguém que, ainda ontem,  estava por aqui, quase ao nosso lado,  há mais de vinte  e cinco anos tenha ido embora e, como aparição,  reviva e venha cantar, para que eu me lembre do meu querer, por você.    E me vem uma pergunta:  será que foi ela que  se foi muito cedo, ou será que eu  é que não percebi a minha hora de partir?  Afinal, eu não tenho nada mais para sonhar que, o meu grande sonho, sempre foi, você, que, por um descaso do destino - que nunca lhe deu tino -  nunca sonhou comigo. E por isso eu choro.  Choro sempre, mesmo que, tantas vezes, em  lágrimas realçadas por este uísque,  encantadas, tomam as suas formas e o seu jeito!

 

1:30

Continuo no copo. O pensamento mais solto, mas não estou ainda, assim, muito alto.  Mas sinto a sua falta e isso é, quase,  inacreditável.  A falta de quem nunca esteve comigo, no dia a dia, mas, sempre, completamente, e sempre,  no meu coração!

Meu filho foi dormir,  a ex-mulher está em alguma festa, ou em um outro lugar qualquer, não me importa muito. 

Eu, contudo,  aqui, com o coração flutuando, viajando,  pensando em você.  A música da Elis continua mexendo comigo, mas, para mudar o tom, fui até ao Ray Charles, ainda no You Tube.  O Ray Charles, eu descobri quando tinha os meus dezoito anos.  Ele, como todo o universo diz, foi um dos grandes, na sua voz negra, nos seus blues e nos  seus sentimentos.  E ouço " I can´t stop loving you ".  Incrível, essa música foi escrita, e cantada, há mais de quarenta anos, mas é como se tivesse sido feita hoje, que guardo ainda,  dentro de mim,  coisas suas,  que me foram  importantes demais, mesmo que você não as tivesse percebido ou nem mesmo se lembre delas;   Você me disse, uma vez, que  se esquece de muitas  coisas que, para você, não foram importantes...:

(https://www.youtube.com/watch?v=aQXsM1l2wZ8 )

I can't stop loving you
I've made up my mind
To live in memory of the lonesome times
I can't stop wanting you
It's useless to say
So I'll just live my life in dreams of yesterday
Those happy hours that we once knew
Tho' long ago, they still make me blue
They say that time heals a broken heart
But time has stood still since we've been apart
I can't stop loving you
I've made up my mind
To live in memories of the lonesome times

.........................................

 

2:00

Meu Deus!  Socorro!  Ouço o Hino!  E por você ter vivido por lá, tanto tempo, o hino, muito bonito (na melodia, que, da letra, não entendo nada),  me emociona.  É como se eu estivesse falando, contigo, lá longe, naquele país cinzento, mas que, de alguma forma, te acolheu.   Como senti saudades suas, em cada dia, em cada instante, em que estivestes num outro país, tão longe de tantos - e de mim - que sempre lhe quisemos tão bem!  Sua distância foi tão sofrida, machucou tanto!

 

2:15
Volto ao Brasil, mas continuo pela madrugada.  Acompanhado pelo meu copo alcólico, meu amigo, ainda que falso.   Com você, imaginariamente  ao meu lado,  mesmo que, na verdade,  estejas  bem longe, dormindo o seu sonhado sono, sei lá.   Estou meio tocado, mas, um pouco mais lúcido do que gostaria de estar.  Talvez por estar escrevendo, além de, simplesmente, bebendo.  Mas  sinto sua falta.  Uma falta enorme.   Eu queria que você estivesse por aqui –  e eu lhe faria uma festa imensa -  você seria a rainha de tudo, de qualquer canção, rainha de tudo!  Eu, com esse amor, absoluto, embalado pela Elis e pelo Ray Charles , embevecido pela musica, pelo uísque e por uma imagem, toda minha, de você, grandiosa, enorme e, quem sabe, minha, um dia.
Mas é fantástico que, depois de tanto tempo, eu lhe dizendo tantas coisas,  colocando minha alma aos seus pés,  jamais se tenha aberto, uma fresta que fosse, da porta do seu coração. Acho uma pena que, olhos nos olhos, mãos entre as mãos, nunca tenhamos podido saber, se juntos, o encanto, para toda uma eternidade,  poderia ter-se feito.

A minha cabeça, talvez, mas a minha alma, não.  Ela  nunca aceitou que tudo – ou nada – nunca tenha acontecido entre nós dois!

 

2:20

A noite já se vai.  O uísque também se acaba.  A garrafa se esvazia. E eu, querendo ficar bêbado, quase não consigo.  Mas te vejo aqui e sei que é só uma miragem.   Quem dera estivesse eu,  bêbado completo;  você, então, estaria aqui, completamente.  Você me estenderia os braços e eu te abraçaria, num abraço que só terminaria amanhã, numa tremenda ressaca, plena de felicidade!

 

2:40

Olha, lhe  confesso que o uísque não me subiu tanto, quanto eu imaginei.  Talvez por que você tenha tido cuidado e  todo o desvelo por mim.   E por não estar assim, absolutamente tonto, num restinho de lucidez , me percebo ridículo.  E é ridículo, sentir-se ridículo, que tudo o que eu disse, nesse diário noturno só faria sentido, todo o sentido e teria sido lindo, se o querer fosse recíproco, ou estivéssemos, quem sabe, numa fase, quase adolescente,  de conquista.

A sua escolha contudo, Maria, até hoje, foi bastante clara.  E com todo esse pileque lúcido, sei que perdi muito, mas, com sinceridade, sei que você perdeu muito, também, tanto quanto eu.   E, por essa sua escolha, Maria, pelo seu coração fechado,  eu queria poder lhe esquecer.  Mas pelo bem imenso que lhe tenho, Maria, que vai além do amor,  não consigo.

Ainda não.
É  que,  do fundo da minha alma, com toda a certeza que o uísque me dá, eu,  totalmente ridículo , morto de vergonha, idiotamente,  te amo!

 

3:40

Continuo ouvindo músicas e pensando.  Acho que tenho que tomar coragem e ir, para a cama, que o amanhã, sem você, me espera...

 

4:00

É tarde, muito tarde.  Ou é cedo, muito cedo.  Relendo tudo o que escrevi,  em cada palavra, apaixonado e ridículo, lhe sentindo aqui, ao meu lado , alta madrugada, lhe sentindo muito, muito mesmo, no meu pensamento e coração, amando cada pequeno gesto, ou afeição, que nunca nos uniu, apaixonado pelo que nunca se fez, entre nós dois, me despeço: até amanhã, ou até o dia  que você quiser.


Wilson